segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Fórmula Truck em Curitiba: A cobertura completa da corrida de Curitiba

Na corrida de Curitiba da Fórmula Truck, Danilo Dirani venceu pela primeira vez na categoria, após marcar os melhores tempos nos treinos livres e sair na pole.

Na largada Wellington Cirino tentou roubar a liderança, mas Dirani não cedeu.
Danilo Dirani foi o nome da corrida de Curitiba em 2011. Desde os treinos da sexta à tarde, só deu ele na ponta. Ainda na classificação, ganhou uma punição que o tiraria da pole, porém a direção da prova voltou atrás e Dirani largou em primeiro.
Na largada Valmir Benavides bateu em Felipe Giaffone
Na batida, Giaffone se envolveu no incidente que fez Geraldo Piquet rodar, perdendo várias posições. Este toque teria troco, indevido, no fim da prova.
Na largada, Wellington Cirino, que largou em segundo, tentou roubar a liderança da prova. Danilo Dirani resistiu a pressão e manteve a liderança. Já em seguida, vinham Felipe Giaffone, Geraldo Piquet e Valmir Benavides. Com as freadas fortes no fim da reta, típicas da largada em Curitiba, Giaffone que defendia a posição com Piquet e outros, levou um toque do companheiro de equipe, Valmir Benavides. Com o toque, Giaffone parece ter perdido o controle do VW nº4 e acabou em um toque com Paulo Salustiano, que estava buscando posições vindo lá de trás. Giaffone, que já vinha fora da trajetória normal, encontrou Geraldo Piquet atravessado na pista e não teve como desviar, batendo e furando o pneu do Mercedes-Benz de Piquet. Esta manobra, que não foi nada planejada com má fé resultou em uma vingança perigosa no fim da prova.
No pelotão inermediário, também muitas disputas na primeira curva.
Já um pouco mais para trás, Cristina Rosito sobrou e escapou da pista.
André Marques, 77, não deu sossego para ninguém que estava em sua frente.
Passada a primeira volta, com Geraldo Piquet em último, sobrou para Felipe Giaffone correr atrás da melhor posição possível. Na liderança, Danilo Dirani abria vantagem, que não chegou a ser confortável em nenhum momento.
No pinheirinho, todos embolados novamente.
Paulo Salustiano com a carenagem quebrada após incidente na largada.
Valmir Benavides teve grandes avarias em seu VW e abandonou a prova.
Curva do Pinheirinho.
Com cerca de 20 minutos de prova, o Pace Truck, conduzido pela linda e simpática Mariana Felício fez uma intervenção programada que coincidiu com uma quebra na subida para o pinheirinho.
Pace Truck
Neste momento, com o Pace Truck a vantagem de Dirani para Cirino ficou pequena.
Pace Truck Iveco Stralis
Danilo Dirani, Wellington Cirino e Beto Monteiro eram os três primeiros.

Danilo Dirani e Wellington Cirino
Com o Pace Truck na pista, os pilotos juntaram-se novamente. Na relargada, novamente Cirino tentou conquistar a liderança, mas novamente sem sucesso. Cirino fez uma grande pressão em Dirani, porém foi surpreendido por uma quebra de embreagem faltando 10 voltas para o final. Com isto, Beto Monteiro assumiu o segundo lugar, com Adalberto Jardim em terceiro.
Cirino abandonou com uma quebra de embreagem em seu Mercedes Benz 06.
Roverval Andrade abandonou faltando 18 voltas.
Na categoria mais desenvolvida do automobilismo nacional, várias marcas disputando metro a metro do AIC.
Régis Boessio corre ainda com Mercedes "bicudo". Quem sabe em breve o troca por um Sinotruk
Danilo Dirani teve um excelente caminhão em mãos, na prova de Curitiba.
Débora Rodrigues abandonou a prova.
João Maistro e Renato Martins
Diumar Bueno.
Pelotão que liderava a prova.
Felipe Giaffone tinha reconquistado a terceira posição na parte final da prova.
Leandro Totti freando forte para não queimar o radar.
O caminhão de resgate voltava ao seu posto após apagar o incendio do caminhão de André Marques (nº77)


A relargada foi dada após essa volta (Pace Truck apagado), teriamos então o desfecho da prova.


E faltando duas voltas, Geraldo Piquet, que vinha em uma recuperação fantástica, conquistando 11 posições chegou em Felipe Giaffone, com a ajuda do Pace Truck que entrara pela 4ª vez na prova. Porém, Piquet ainda estava uma volta atrás de seu adversário ao título.

Com o acidente da largada ainda atravessado, Geraldo Piquet freou tarde no fim da reta e subiu no caminhão de Felipe Giaffone, tirando os dois da prova. Com a manobra, Piquet foi excluído, o que não resolve, já que tirou importantes pontos de Giaffone. A manobra foi de extremo risco e causou discussão quando os dois se encontraram. Talvez se Felipe tivesse visto que Piquet estava mau intencionado, poderia ter evitado o acidente, já que não disputavam posições. Porém, foi tão impensável que não foi possível fugir.

Confiram o vídeo do acidente:

Ao final da prova a assessoria de imprensa da Fórmula Truck colheu depoimentos dos envonvidos. Veja na íntegra:
Geraldo Piquet:"Fiz uma ótima largada. Passei o Adalberto Jardim e o Valmir Benavides, mas na freada, quando fui ultrapassar o Felipe Giaffone, ele foi para esquerda e me tirou. No meio do ‘S’, quando já estava rodado, levei outra batida de um Iveco. Após isso foi corrida de recuperação, onde fui ultrapassando todos os pilotos. Quando fui passar o Giaffone no fim da prova, ele não me deu passagem e acabamos nos tocando",

Felipe Giaffone: "Para minha surpresa o Piquet vinha atrás de mim, eu freiei antes e vi que ele não veio, automaticamente não me passaria, entrei na curva e depois vi a porrada. No momento até pensei que tivesse acontecido alguma coisa, a porrada foi muito grande, por pouco nós não nos machucamos. Achei um absurdo fazer isso de propósito colocando a nossa vida em perigo. Porém, quando sai do caminhão, ele falou abertamente, que como eu havia tirado ele no começo da corrida, o que não é verdadeiro, pois eu levei uma porrada por de trás e fui jogado para cima, ele tinha feito aquilo mesmo e íamos levar o título para Brasilia. Para mim é novidade acontecer isso em todo meu tempo de automobilismo, pois acho que ele fez de cabeça quente, e agora eu estou pensando em não correr em Brasilia, pois tenho medo de alguém se machucar lá".

Bom, notamos que não houve entendimento. Com certeza isto vai gerar bastante confusão até a próxima corrida.
Após o acidente, Danilo Dirani e Beto Monteiro sobraram na frente.
Mesmo com a pressão do piloto Iveco que chegou a ameaçar num mergulho, Danilo Dirani manteve a liderança.
Danilo Dirani completou 21 voltas em 1:00:03.289
Beto Monteiro, piloto Iveco, chegou em segundo.
Rresultado final da corrida de Curitiba:
1º- 70 - Danilo Dirani (Ford), 21 voltas em 1:00:03.289
2º- 88 - Beto Monteiro (Iveco), a 0.441
3º- 23 - Adalberto Jardim (Volkswagen), a 5.601
4º- 73 - Leandro Totti (Mercedes-Benz), a 8.469
5º- 83 - Regis Boessio (Mercedes-Benz), a 10.141
6º- 14 - João Maistro (Volvo), a 10.792
7º- 20 - Pedro Muffato (Scania), a 15.956
8º- 9 - Renato Martins (Volkswagen), a 26.172
9º- 71 - Cristina Rosito (Ford), a 29.006
10º- 32 - Luiz Pucci (Volvo), a 38.271
11º- 4 - Felipe Giaffone (Volkswagen), a 2 voltas
12º- 77 - André Marques (Volvo), a 3 voltas
13º- 99 - Luiz Lopes (Scania), a 3 voltas
14º- 50 - Fred Marinelli (Iveco), a 7 voltas
15º- 7 - Debora Rodrigues (Volkswagen), a 9 voltas
16º- 11 - Diumar Bueno (Volvo), a 9 voltas
17º- 6 - Wellington Cirino (Mercedes-Benz), a 10 voltas
18º- 1 - Roberval Andrade (Scania), a 11 voltas
19º- 12 - Zé Maria Reis (Scania), a 18 voltas
20º- 45 - Leandro Reis (Scania), a 19 voltas

Abandonaram: Débora Rodrigues e Valmir Benavides
Excluídos: Paulo Salustiano e Geraldo Piquet

A decisão do título fica para Brasília, que encerra o campeonato no próximo dia 04 de dezembro e terá a disputa envolvento Felipe Giaffone, que tem 96 pontos, Geraldo Piquet, com 89 pontos e Valmir Benavides, com 74 pontos. Wellington Cirino tem ainda chances remotas, com 68 pontos.
Tudo sobre a Fórmula Truck em Curitiba

0 comente:

Postar um comentário

Comentários com fins publicitários devem ser enviados para o nosso e-mail de contato.

Google+ Followers